by Marcia Serante

Arquivo do blog

Sinais em contexto escolar

Plano de aula inclusivo

sábado, 17 de setembro de 2011

O APRENDIZADO DA CRIANÇA CEGA

A visão é um dos órgãos mais importantes de contato com o mundo, é através da visão que construímos vários dos conceitos importantes. Quando há a falta da visão, devemos propiciar a criança cega atividades que estimulem os sentidos remanescentes. Estas atividades promoverão o desenvolvimento global da criança cega e habilitarão a criança cega (com as ferramentas necessárias) a acompanhar o ensino comum em tempo real e junto com as demais crianças. O atendimento precoce já nas primeiras semanas de vida da criança que nasce cega ou que fica cega no início de sua vida é diretamente proporcional às suas chances de normal desenvolvimento motor, social, cognitivo e afetivo, pois, as crianças que nascem cegas têm o seu mundo restrito às experiências ligadas aos sentidos remanescentes: vestibular, tátil-cinestésico, auditivo e proprioceptivo. Assim, deverá interagir com o ambiente, com as pessoas, formas, texturas o mais concretamente possível, este contato deverá ocorrer através do tato e outros sentidos e às atividades devem estar voltadas a “experimentação” de muitas coisas (de diferentes origens), pois a criança cega construirá assim seus conceitos.

As atividades a serem propostas ás crianças cegas devem estar divididas e inseridas no atendimento diário, estas atividades têm seus objetivos específicos ligados a cada função a ser desenvolvida (conhecimento de objetos, formas, texturas, conceitos corporais e especiais, locomoção em espaços internos, comportamento social, construção de mapa mental, conhecimento de números e quantidades, preparação para o braile):

• A estimulação essencial e o desenvolvimento motor, cognitivo, social e emocional da criança de 0 a 5 anos;

• Atividades de Vida Social e Autônoma;

• Orientação e Mobilidade;

• Brincadeiras e jogos de imitação;

• A construção do conceito de número e o pré-soroban;

• O desenvolvimento tátil e o preparo para a alfabetização braille.

Além de toda a estimulação para que a criança possa “ver o mundo” com os sentidos remanescentes, ainda o professor deverá estar atento para mediar às descobertas, ajudando para que as mesmas se tornem significativas.

 
Atividades de vida autônoma e social

Conhecimento de números e quantidades
Jogos de imitação

Conhecimento de diferentes formas e texturas

Orientação e mobilidade em ambientes internos

Reconhecimento e discriminação de diferentes sons

Um comentário:

  1. Parabéns professora, sei da importância que tem o seu trabalho na busca pela equidade social, você é uma pessoa que faz a diferença na educação como um todo e acredito, na vida de muita gente...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
href='http://revistaescola.abril.com.br/vocenacapa/php/view.php?image=20110316092338_82507a4c43d3077e0ef0352d500a5022.jpg'>
Criado no siteVocê na capa de NOVA ESCOLA.