by Marcia Serante

Arquivo do blog

Sinais em contexto escolar

Plano de aula inclusivo

domingo, 21 de agosto de 2011

Parque de diversão abre as portas gratuitamente em data especial para as pessoas com deficiência


Brincar e se divertir é sempre bom em qualquer idade. E foi pensando na alegria e no bem-estar das pessoas com deficiência que o Sindicato Nacional de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat) e a Associação Brasileira das Empresas de Parques de Diversão do Brasil (Adibra) fecharam parceria inédita com o objetivo de proporcionar um dia especial para as pessoas com defi ciência. A data escolhida foi o dia 3 de dezembro, Dia Nacional da Pessoa com Deficiência em Parques e Atrações Turísticas e Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, e a cerimônia de abertura foi no Hopi Hari que recebeu mais de 8 mil pessoas com defi ciência, de 83 instituições espalhadas por 31 municípios de São Paulo.

Unificação do que já existia

O Playcenter foi o pioneiro em oferecer um dia exclusivo às pessoas com deficiência. Há oito anos, o mais antigo parque de diversões do Brasil já tinha a preocupação de integrar e receber todos os tipos de público. O Hopi Hari e o Parque da Mônica também se mobilizaram e hoje oferecem o mesmo benefício. Agora, todas as ações passam a ter uma única data e objetivo: dar alegria e divertimento às pessoas com defi ciência e adequar suas instalações para que elas possam ser recebidas em qualquer dia do ano, basta querer se divertir. “Nossas atrações estão prontas para recebê-las sempre que quiserem e não só em dias especiais. Com elas aprendemos e melhoramos setores de atendimento, treinamento de pessoal, trazendo sensibilidade na hora de prestar serviço”, comenta Alain Baldacci, presidente do Sindepat.

Parques de diversão devem ter brinquedos adaptados

Desde 2009 os brinquedos dos parques de diversão devem ser adaptados a pessoas com deficiência, a Lei 11.982 acrescenta parágrafo único ao Artigo 4º da Lei 10.098, de dezembro de 2000, para determinar a adaptação dos brinquedos e equipamentos, é válida para áreas públicas e privadas e a adaptação deve ser feita, no mínimo, 5% de cada brinquedo ou equipamento.

Programa incentiva a diversão com segurança

O presidente do Hopi Hari, Armando Pereira Filho, disse que a acessibilidade nas suas 59 atrações é uma preocupação constante. “Desde 2001, o parque mantém o Programa Código Azul, desenvolvido com o propósito de oferecer um serviço com toda segurança às pessoas com deficiência”, disse. A Equipe Código Azul, que recebe treinamento específico para dar atendimento diferenciado a esse grupo de visitantes.

Na entrada do parque, a pessoa com deficiência é recebida por um colaborador que elabora um mapeamento personalizado das atrações indicadas para cada caso. O mapeamento considera aspectos como uso de medicação, movimento e coordenação, entre outros fatores.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
href='http://revistaescola.abril.com.br/vocenacapa/php/view.php?image=20110316092338_82507a4c43d3077e0ef0352d500a5022.jpg'>
Criado no siteVocê na capa de NOVA ESCOLA.